Computação

Aprendiz de Programação

February 19, 2016

 

AprendizDeProgramação01

Há um bom tempo decidi que precisava compartilhar das minhas angústias em relação à minha vida universitária, mas nunca tive coragem para tanto. Agora vai! kkk

Vamos rebobinar a fita um pouco, só pra clarear as coisas. No segundo ano de colegial, comecei a fazer um curso de mecatrônica no SENAI, onde aprendi eletrônica, elétrica, mecânica, automação residencial e … programação! Foi ali, com o empurrãozinho de um amigo, que decidi escolher Análise e Desenvolvimento de Sistemas como minha opção no vestibular. Uma decisão boa, mas que traria um balde cheio de emoções junto.

Meu primeiro ano foi incrível, cada matéria, cada trabalho em grupo, cada desafio de lógica de programação. Parecia sonho, sabe? No meu segundo ano, tive a chance de participar do Ciências sem Fronteiras e fui pro Canadá estudar inglês e desenvolvimento. Foi onde eu tive o maior contato com a programação pura, onde fiz matérias como PHP, JavaScript, Java, C++, tive aula de Open Source, Linux, Windows Server, etc etc etc. Por ter um sistema de ensino muito puxado e “homework” pra fazer toda semana, estudar fora foi bem trabalhoso e desafiador!

Acho que minha dificuldade maior foi encarar os “bombadinhos de academia”, só que da programação. Não sabe quem são eles? Aqueles carinhas que fingem saber TUDO de computadores, falam que qualquer exercício é simples, que usam aplicativo pra mostrar quem digita mais rápido … SIM! Isso existe! kkkk

Esse tipo de pessoa acaba se misturando com os que realmente sabem algo de verdade, criando nos novatos, vulgo eu, uma insegurança, uma sensação de inferioridade, de que não seria capaz de aprender, de obter sucesso no curso, criando um obstáculo penoso de ultrapassar.

Apesar disso tudo, me graduei em todas as matérias que fiz no exterior, voltei e estou terminando meu último ano na universidade. Devo muito aos meus amigos, namorado e roommates, que nunca me deixaram desistir, me incentivaram e me fizeram acreditar que eu posso fazer o que eu quiser, desde que eu queira!

Claro que ainda tenho medo do futuro, de entrar no mercado de trabalho e de acreditar completamente em mim, mas dia após dia crio um pouquinho mais de autoconfiança, evoluindo pra um dia ter o emprego que sonho em ter.

 

Cheers!

 

 

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply